Última paisagem

Última paisagem

< >

Essa música marca uma sutil, mas importante mudança na paisagem de Noturno. Ela representa a passagem de um clima mais intimista, experimental, pleno de influências contemporâneas e universais para uma sequência de músicas com sonoridade e ritmos mais brasileiros, embora não menos elaboradas, buscando sempre trabalhar novos estratos sonoros que revelem outras harmonias, texturas e significados.

Para sintetizar essa passagem, a música apresenta dois momentos, duas posturas. Em sua primeira parte, interpretada por Marcos Braccini, apresenta uma espécie de recitativo barroco, desconstrói o ritmo e a base harmônica em uma tessitura que sustenta a melodia quase singela, com um diálogo inusitado entre as cordas e o acordeom, marcante e tenso. E se completa em uma segunda parte mais brilhante, com a entrada de flautas, violões e do convidado especial, Luiz Gabriel, do grupo Graveola. Como em todo o disco, a transição é delicada e sem rupturas, embora revele claramente o contraste entre duas possibilidades de arranjo e tratamento da canção, sublinhado também pelas ligeiras alterações na letra. É quase um jogo proposto ao ouvinte, de descobrir a evolução de rumos dentro da coerência da proposta do disco. Ultima Paisagem, que poderia se contentar em ser um belo choro-canção, acolhe diferentes linguagens e interferências,  sem perder a brasilidade. 


 

Última Paisagem
(Marcos Braccini, Luiz Gabriel Lopes)

Minha rima é de lágrima
lástima e alegria
última paisagem do sol
do fim do dia

Minha pena é dilacerar
em espera e agonia
a minha coragem que é só
o que em mim havia

Tantas foram as horas
que eu nem sei de cor
meu coração perdeu a cor
perdi o chão
e a distração fez desbotar a poesia

Respiro o pó (respiro o sol)
e as cinzas frias
minha oração
melancolia
reparo em ti
e o teu olhar (e o meu olhar)
no meu olhar (no teu olhar)
é nostalgia

 

Marcos Braccini          voz
Luiz Gabriel Lopes          voz
Rafael Martini          arranjo e acordeon
Carlos Walter          violões
Alexandre Andrés          flautas
Quarteto Taron:
Frank Hämmer          violino 1
Jovana Trifunovic          violino 2
Katarzyna Druzd          viola
Lina Radovanovic          violoncelo