Moto-contínuo (Moto-continuous)

Moto-contínuo

< >

“Moto-Continuous” is “a sound that can’t be clogged,” a musical outburst uniting Piazzola and Radiohead, strings and dissonances, noises and chords, emotion and technique. It is rhythm and poetry, repetition and inconsistency, confrontation and harmony. Dialectics of emotion. Its arrangement is engaged and meshed with modernity “in the itinerary of dreams and longing.” Strong and idyllic, “Moto-Continuous” is an invitation to reflection and action.

 

Moto-Contínuo
(Marcos Braccini, Flávio Henrique, Brisa Marques)

Ontem o passado não se escondeu
veio ao meu encontro e hoje se perdeu
no instante do relógio a girar
pacientemente em busca da manhã
veio carregado pela solidão
no itinerário do sonho e da saudade

Por saber que agora não é hora
e demora, o dia passa e já não sorri a noite
todo dia a noite vira dia
e o passado noite e dia
não se cansa de voltar

Guarda a sorte presa na estante
como um som que não estanca
canta alto inocente
e o presente sorrateiramente
se disfarça de vidente
pro futuro observar

 

Marcos Braccini          voice and sound collages
Rafael Martini          arrangement and acoustic guitar
Frederico Heliodoro          bass
Yuri Vellasco          drums
Pedro Sá          eletric guitars
Brisa Marques          voice poem “Moto-Contínuo”
Quarteto Taron:
Frank Hämmer          violin 1
Valentina Gostilovitch          violin 2
Katarzyna Druzd          viola
Lina Radovanovic          cello